O Disk Rango e as causas sociais: entrevista com Julyana Martins Leiva Oliveira, uma das fundadoras do projeto social “Amigos em Ação”

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on pinterest
Share on telegram

O Disk Rango além de oferecer excelentes soluções on-line de delivery com pedidos automatizados via WhatsApp, para diversos tipos de negócios, sem taxas e/ou comissões, é também preocupado com as causas sociais, por isso contribuirá com uma porcentagem de cada venda, com projetos sociais na área da Educação/Esportes, moradores em
situação de rua e animais abandonados.

O projeto social que ajuda moradores em situação de rua escolhido, foi o “Amigos em Ação”, e para que possamos conhecer um pouco sobre essa história de solidariedade e amor ao próximo, entrevistamos uma das fundadoras do projeto, Julyana Martins Leiva Oliveira.

Confira!

Para começarmos, gostaria que se apresentasse, contando um pouco sobre você.

Entrevistada: Sou a Julyana, tenho 37 anos, sou casada e tenho duas filhas que amo.

Desde pequena sempre soube que queria ser professora. Comecei cedo numa escola pequena. Minhas formações são todas voltadas para Educação. Atualmente, faço pós em Neurociência aplicada à Educação.

O nome do projeto social é “Amigos em Ação“, correto?
O que é o “Amigos em Ação?”


Entrevistada
:
Correto, escolhemos esse nome já que é formado por um grupo de amigos que estão dispostos a entrar em ação para ajudar o próximo. Começamos num grupo pequeno de amigos bem próximos, aos poucos surgiram outras pessoas para somar e agregar nessa ação.

Qual é ou quais são, o(s) objetivo(s) do “Amigos em Ação?”

Entrevistada
:
O nosso grande objetivo é ajudar os menos favorecidos que vivem em situação de rua, levando um pouco mais de dignidade e carinho, além do alimento, água, roupas e cobertores.

Quem criou a ideia inicial do projeto? Como e quando ele surgiu?

Entrevistada
:
Esse projeto foi inspirado em outra ação similar a essa, em que entregávamos sopa aos moradores de rua de São Paulo, toda sexta-feira à noite. Eu participava apenas das entregas e uma senhora, a tia Fernanda, que preparava tudo com a ajuda de uma moça. Com complicações da idade e questões de saúde, ela não conseguiu dar continuidade e paramos as entregas.

Alguns anos depois, em meados de julho de 2016, numa conversa entre amigos, relembramos dos tempos bons de entrega, do quanto nos fazia bem e abrangia muitas pessoas… Resolvemos retomar o trabalho.

Começamos lentamente, cada um fez uma panela de sopa em suas casas, juntamos tudo e saímos para entregar. A chama se reacendeu e voltamos a fazer esse trabalho que tanto amamos. Numa frequência menor, com entregas uma vez ao mês.

Quantas pessoas fazem parte da equipe?

Entrevistada
:
A equipe tem em média de umas 20 pessoas ativas que ajudam de forma direta ou indireta.

O trabalho é dividido entre a equipe? Caso sim, como é feita essa divisão de tarefas?

Entrevistada: Eu e a Fernanda somos responsáveis pela logística. Temos um grupo de WhatsApp em que abrimos para votação a escolha das datas, e optamos por aquela em que tem mais pessoas para ir à entrega. Temos a equipe da cozinha, que preparam tudo com muito carinho, a equipe da entrega, e alguns colaboradores que ajudam com doações.

Quantas pessoas, aproximadamente, vocês conseguem atender em cada entrega?

Entrevistada
:
 Entregamos em média 160 sopas acompanhadas de pãozinho, suco e água.

Quantas e quais são as regiões que vocês atendem?

Entrevistada
:
 Entregamos algumas em Guarulhos, local onde preparamos a sopa e saímos para entrega, e nos direcionamos para São Paulo, região da Armênia e centro de São Paulo.

Os moradores em situação de rua aceitam com facilidade a ajuda? Como vocês fazem a abordagem?

Entrevistada: A maioria aceita com facilidade as doações, geralmente vamos nos mesmos locais, então muitos já nos conhecem.


Normalmente deixamos os carros próximo de onde eles estão e oferecemos a sopa ou alimento quentinho. Quando já jantaram e saciaram a fome agradecem e deixam para os outros irmãos que estão na mesma situação que a deles. Nessas situações, às vezes, pegam apenas a água.

Vocês aceitam novos voluntários? Existe algum tipo de seleção?

Entrevistada
:
 Todos os voluntários são bem vindos, quem nos procura para saber do projeto é convidado para ir e conhecer de perto o nosso trabalho, mas alguns preferem apenas saber um pouquinho e fazer doação.

Quais são os tipos de doações que vocês costumam receber/aceitar?

Entrevistada
:
 Recebemos doações de alimentos que são utilizados para o preparo da sopa, cobertores, roupas, ração e brinquedos.

Vocês têm algum canal de comunicação para receberem doações?

Entrevistada
:
 Normalmente, as doações chegam através de algum integrante do grupo ou doação numa conta destinada a sopa que está no meu nome.

Com a pandemia, é possível dizer que as doações diminuíram, e consequentemente, às entregas também, ou não?

Entrevistada
:
 Com a pandemia as entregas diminuíram significativamente, a equipe da cozinha é composta em sua maioria por integrantes mais velhas que fazem parte do grupo de risco. E a princípio ficamos preocupados também com a segurança de todos os integrantes. O trabalho voluntário não parou, porque continuamos ajudando outras pessoas desfavorecidas, com doação de alimentos em comunidades carentes, roupas a grupos que fazem entregas a moradores de rua e entregas em menores proporções.

Quais os tipos de cuidados, vocês têm tomado para fazerem as doações durante a pandemia?

Entrevistada
:
 As entregas estão sendo feitas de máscara e com uso de álcool constantemente.

Para encerrarmos… Qual é a sua motivação para realizar esse trabalho?

Entrevistada
:
 Ajudar o próximo me faz tão bem, uma sensação de gratidão de poder levar um pouco mais de amor para as pessoas que são tão invisíveis para a maioria da população.

Gostou? Quer saber mais sobre o projeto?
Acompanhe-os no Instagram@amigosemacaosp.

Divulgue o Disk Rango e nos ajude a continuar fazendo o bem!

Mayara Fernandes

Mayara Fernandes

Deixe um comentário